The best bookmaker bet365

Дървен материал от www.emsien3.com

CBESP 2019: "Não há condição de manter a atual estrutura de educação pública", diz ministro Abraham Weintraub

Em: 11 Junho 2019 | Fonte: Zero Hora (RS)

Em discurso com foco muito mais econômico do que educacional na abertura do Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, ele criticou governos anteriores e exaltou a iniciativa privada

Em seu único compromisso público nesta quinta-feira (6), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, discursou na abertura do 12° Congresso Brasileiro de Educação Superior Particular em Belo Horizonte (MG). Em pronunciamento curto – cerca de oito minutos – e marcado por mais referências à economia do que à educação, além de algumas críticas de teor político, o titular do MEC exaltou a iniciativa privada, responsável por cerca de 80% das matrículas em instituições de Ensino Superior no Brasil, e declarou que "não há condição" de "manter a atual estrutura da educação estatal" no país.

Weintraub afirmou que sua presença é importante pela mensagem que passa, como representante do governo Jair Bolsonaro: de que o crescimento na educação superior brasileira se deu em grande parte pela iniciativa privada. Em seguida, afirmou que o Ensino Superior público – de responsabilidade do governo federal – tem dificuldade, na atual estrutura, de crescer, ou até de se manter no estágio em que está.

Existe espaço para universidades federais, estaduais, mas a expectativa de crescimento no Brasil deixa claro que não há condição, com o estado de contas do governo, de nutrir a atual estrutura da educação estatal e atender à demanda do que vai acontecer neste país — afirmou Weintraub.


O titular do MEC aproveitou para defender as reformas propostas pelo governo Bolsonaro, especialmente a da Previdência, tecendo comparações com a situação de outros países latino-americanos.

— A renda per capita (anual) no Brasil está em US$ 10 mil. Saneando (a situação das contas públicas), conseguimos migrar para US$ 20 mil. O Chile está com US$ 25 mil. Os países da América do Sul estão ultrapassando o Brasil, fruto das bobagens feitas nas últimas duas décadas. O que foi aplicado no Brasil gerou desemprego e ineficiência — declarou o ministro.

Seguindo mais nas comparações econômicas do que educativas, Weintraub afirmou que a educação superior deve ter um crescimento acima da média nos próximos anos, "caso o Brasil dê certo":

— E por que estou otimista? Porque a agenda econômica atual é científica, baseada na ciência econômica.

Retomando menção à reforma da Previdência, o ministro da Educação afirmou que a proposta vai "desamarrar o crescimento" nacional, levando a economia brasileira, agora negativa, a crescer 3% ao final do ano e de igual forma em 2020.

Caracterizando o governo Bolsonaro como liberal na economia e conservador nos costumes, Weintraub afirmou que o Estado não deve interferir nas relações econômicas, não deve criar obstáculos à iniciativa privada – e aí voltou a mencionar o ensino.

Ao final, o ministro reforçou que "o Estado brasileiro não tem condições de atender à demanda gigantesca que vai acontecer (no Ensino Superior) nos próximos anos". Weintraub não tratou de algumas pautas defendidas por ele, como o pagamento de mensalidade por alunos de pós-graduação em universidades públicas.

Muito aplaudido ao final do discurso, ele saiu evitando falar com a imprensa.

logo abmes logo abrafi logo anaceu logo anup logo fenep logo fenep logo semesp

 

 
 

Online bookmaker Romenia betwin365.webs.com