The best bookmaker bet365

Дървен материал от www.emsien3.com

Apoio de evangélicos influencia agenda de Bolsonaro na educação

Em: 06 Novembro 2018 | Fonte: O Globo

Presidente eleito prioriza defesa de pautas como a ‘Escola Sem Partido’ no Congresso

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), tem priorizado o que considera acenos ao eleitorado evangélico , decisivo para sua vitória nas urnas. Em tramitação na Câmara, o projeto de lei da “ Escola Sem Partido ” — que determina a afixação de cartazes em salas de aula delimitando a atuação dos professores, para coibir suposta “doutrinação” ideológica — será um dos principais focos do governo e de sua base aliada no Congresso. Além disso, líderes evangélicos que o apoiaram na eleição veem como fundamental a nomeação do futuro ministro da Educação.

Líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, o pastor Silas Malafaia é um dos que têm defendido junto ao presidente eleito que o próximo titular da pasta tenha como uma de suas prioridades “varrer da educação brasileira a ideologia esquerdista”. Malafaia tem dito que o presidente eleito se comprometeu a indicar um nome com este perfil. Para lideranças religiosas que apoiaram Bolsonaro, além do novo ministro da Educação, o apoio do governo a pautas como a Escola Sem Partido poderá manter o vínculo do presidente eleito com este eleitorado.

A importância dos evangélicos para a vitória de Bolsonaro é confirmada pelo cruzamento do resultado do segundo turno com dados do Censo de 2010 sobre religião: quanto maior o percentual de evangélicos nos 5.565 municípios brasileiros, maior foi a votação do capitão da reserva.

De maneira inédita, esses eleitores, que costumavam se dividir, optaram majoritariamente por um candidato. Nas 32 cidades com maioria protestante, Bolsonaro recebeu 74,26% dos votos. Esse percentual cai para cerca de 64,2% naquelas com entre 40% e 50% da população formada por evangélicos, e vai despencando conforme essa proporção se reduz. Nos 1.416 municípios onde os membros dessas igrejas somam menos de 10% da população, o presidente eleito teve apenas 28,07% dos votos, contra 71,93% recebidos por Fernando Haddad (PT).

De acordo com o Censo, o país tinha, no começo da década, mais de 42 milhões de evangélicos. Mas estimativas de institutos como o Datafolha mostram que esse público já corresponde a algo em torno de 30% dos brasileiros atualmente, um exército de 60 milhões de pessoas.

Bolsonaro deu simbolismo a seu primeiro compromisso público após o triunfo nas urnas. Na noite da última terça-feira, fez uma aparição relâmpago no templo sede da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Tratado como um popstar pelas centenas de presentes ao culto na Penha, na Zona Norte do Rio, foi recebido aos gritos de “mito, mito” e fez um curto discurso de agradecimento, onde passou recados claros.

— Quero agradecer a esse povo de Deus pela confiança depositada em meu nome. O que os senhores podem esperar de mim é uma pessoa comprometida com os valores da família cristã.

Malafaia tem frequentado a casa de Bolsonaro, na Barra da Tijuca, onde o presidente eleito recebe aliados para conversar sobre a montagem do novo governo. O líder da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, também é esperado para um encontro com o presidente eleito ainda antes da posse. Macedo declarou apoio ao candidato do PSL na última semana do primeiro turno.

Segundo o demógrafo José Eustáquio Diniz Alves, professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) do IBGE, é possível afirmar que foram os evangélicos os responsáveis pela onda bolsonarista que tomou de assalto a política brasileira. Cruzando os resultados da votação com dados de uma pesquisa do Datafolha, ele chegou a constatação de que Bolsonaro recebeu quase 70% dos votos entre esse eleitorado - o que lhe deu uma vantagem de 11,5 milhões de votos. Por outro lado, o capitão da reserva perdeu a eleição para Haddad no somatório das outras religiões por uma margem de 837 mil votos. No geral, Bolsonaro obteve uma vantagem de 10,7 milhões de eleitores de vantagem sobre Fernando Haddad.

- Pela primeira vez os evangélicos elegeram um presidente - garante José Eustáquio - Não só a parcela do eleitorado evangélico cresceu muito, como a diferença para um candidato nunca foi tão grande. Sem dúvida foi suficiente para lhe dar a vitória.
Embora o senso comum por vezes trate as igrejas como currais eleitorais sobre o comando de pastores e políticos a eles associados, especialistas e mesmo lideranças desse meio consideram a análise distante da realidade das congregações.

Embora atuem como formadores de opinião, líderes religiosos teriam uma influência limitada sobre a decisão de voto, muito baseada em valores e dogmas religiosos - mobilizados em temas como a oposição ao aborto e ao casamento LGBT. Recado passado pelo próprio Malafaia, ao lado de Bolsonaro no culto.

- Sabemos que Bolsonaro foi eleito por votos de evangélicos, católicos e tantas religiões - ressaltou. - Não estamos votando em candidato a Deus. Não estamos votando em alguém que vai fazer graça para evangélicos, isso seria muito mesquinho. Estamos votando em alguém para mudara história da nossa nação. O Estado é laico e tem que ser mesmo. É laico, mas não é laicista. Não é contra a religião, e o povo tem religião.

A escolha pela congregação de Malafaia não foi ao acaso. Além de encontrar no polêmico pastor um aliado fiel durante toda a campanha, a Assembleia de Deus - vertente pentecostal fragmentada em diversas convenções e igrejas - é a maior denominação evangélica do pais, com mais de 12 milhões de seguidores, segundo o Censo de 2010.

TRANSIÇÃO RELIGIOSA
O crescimento dos evangélicos, acelerado desde a década de 1980, tem consequências políticas, lembra o sociólogo Ricardo Mariano, professor da USP e autor do livro “Neopentecostais”. Embora tenha havido uma trégua durante os governos Lula, o avanço de pautas progressistas no Congresso e no Supremo Tribunal Federal (STF) reanimou o forte antipetismo presente nesse campo religioso desde o pleito de 1989, avalia.

- Tem um antipetismo extremamente forte no segmento evangélico. Isso se deve a disputas políticas travadas entre parlamentares de esquerda e integrantes da bancada evangélica, também com a bancada do PSOL. Isso já há mais de uma década - ressaltou, destacando os ganhos políticos de parlamentares. - Há 30 anos eles arregimentam os fiéis com base em pânico moral, fake news e, mais recentemente, em discurso de ódio.

Eustáquio afirma que o ritmo de crescimento dos evangélicos tem sido mais rápido do que ele próprio previa. Em 2010, o demógrafo estimou que os católicos pela primeira vez deixariam de corresponder a mais de 50% dos brasileiros em 2030, e a população evangélica ultrapassaria a católica até 2040.

- Analisando hoje em dia, vendo outros dados, como esse do Datafolha ou de outras instituições internacionais que fizeram pesquisa nesse período, vejo que esse movimento será mais rápido. O Brasil está passando por uma transição religiosa, com queda dos católicos e aumento de todos os outros segmentos religiosos e daqueles sem religião. Hoje em dia, diria que os católicos devem perder essa maioria até 2022. E os evangélicos como um todo devem passar os católicos até 2032.

logo abmes logo abrafi logo anaceu logo anup logo fenep logo fenep logo semesp

 

 
 

Online bookmaker Romenia betwin365.webs.com